25/04/2020

Vocês estão loucos?

                                                                                                                                   Por: Andrej Carraro


Sérgio Moro entra grande e sai gigante! Essa é a frase que vejo muito nas redes sociais. Sabem o significado disso? A saída do ministro da justiça é um aviso muito além do simplesmente ruir o governo Bolsonaro. Aliás, nem me arrisco dizer que está ruindo. Bom, se levar em conta a questão popularidade, nesse sentido concordo, mas o que está em curso nos bastidores do governo? 

São questões difíceis de responder quando temos governantes que batem recordes de absurdos e escondem muita coisa. Por um lado, a saída de Moro indica que Bolsonaro estava descontente com seu trabalho, como disse no seu pronunciamento no dia 24 de abril, isso abre caminho para a entrada de um novo ministro com perfil ainda mais obscuro e alinhado ideologicamente com Bolsonaro como aconteceu na troca do Ministério da Saúde de Mandetta por Teich. O que a esquerda tem a comemorar aqui enquanto as injustiças com o povo pobre continuam acontecendo e nada continuará sendo feito com ministros elitistas no Ministério? Não seria uma atitude mesquinha para puramente massagear o ego com as toscas frases de “eu avisei”? 

Moro sai atirando, mas isso me parece muito como uma tática para alavancar sua imagem de anticorrupto e isento partidária e ideologicamente. Surge um novo candidato com a falácia “eu não sou político”? Será mesmo que o fato de Moro aceitar o cargo de ministro não era para isso? Para que de um jeito ou de outro, sair com uma imagem de “herói” maior que entrou? Se for, tenho que reconhecer que ele é um bom estrategista político e isso é bem perigoso. 

Claro que não o acho um “gigante” e sim uma figura patética e baixíssima, mas já parou para pensar que Moro pode se candidatar a prefeito na cidade de Maringá ou Curitiba e tem enormes chances de vencer? Para deputado estadual ou federal, senador, governador também? E até mesmo para presidente? 

Engana-se quem acha que a direita está enfraquecida com esse episódio, claro que está mostrando dia após dia o quanto é cafona, pobre de conteúdo e conhecimento, oportunista e atrasada, mas a classe média e a elite do Brasil também são e isso reflete nas eleições. Suas vergonhosas falácias, senso comum e ataques baixos à esquerda chegam às classes mais baixas e influenciam no voto. 



De um lado temos Dória, Amoedo, Witzel, possivelmente Mandetta, até mesmo Bolsonaro (ou um dos bolsonaros) dependendo do desfecho de seu governo e agora mais uma carta na manga da elite surge com muita força: Sérgio Moro. Enquanto isso as frentes de esquerda seguem sem nome para as eleições (nem Lula, nem Dino, nem Ciro e nem Boulos, cada um por razões particulares), ou seja, nenhuma dessas personalidades têm capital político comparável aos ídolos da direita liberal e fascista da atualidade e seguem com grandes dificuldades para fazer o seu trabalho de base.

O futuro é sombrio e não temos nada a comemorar e aos que estão comemorando eu insisto em perguntar: vocês estão loucos?

Nenhum comentário :