7 de fevereiro de 2013

As Falácias de um Pastor Evangélico

Por: Jonas J. Berra

     Antes de mais nada, é importante retomar o conceito de falácia. Para quem não estuda filosofia e argumentação lógica, não é algo óbvio. A falacia tem por característica ser um argumento ilegítimo. Em outras palavras (ou sinônimos) é um argumento que logicamente não se sustenta, é inconsistente, ineficaz ou falho ao procurar provar alguma verdade.
Normalmente as falácias são usadas, juntamente com a retórica, com o intuito de convencer sobre verdades já estabelecidas, ainda que improváveis. As falácias tocam, em muitos aspectos, de modo emocional, mas são incoerentes do ponto de vista lógico. Para ajudar na compreensão clique aqui, que é um artigo de Fábio Rodrigues sobre 24 falácias lógicas de Charles Sanders Peirce. Vou elencar as mais fáceis de entender abaixo, para termos uma ideia do problema em questão:

1. Espantalho
Você desvirtuou um argumento para torná-lo mais fácil de atacar.

2. Causa Falsa
Você supôs que uma relação real ou percebida entre duas coisas significa que uma é a causa da outra.

3. Apelo à emoção
Você tentou manipular uma resposta emocional no lugar de um argumento válido ou convincente.

6. Ad hominem
Você ataca o caráter ou traços pessoais do seu oponente em vez de refutar o argumento dele.

7. Tu quoque (você também)
Você evitar ter que se engajar em críticas virando as próprias críticas contra o acusador – você responde críticas com críticas.

9. Alegação especial
Você altera as regras ou abre uma exceção quando sua afirmação é exposta como falsa.

10. Pergunta carregada
Você faz uma pergunta que tem uma afirmação embutida, de modo que ela não pode ser respondida sem uma certa admissão de culpa.

14. Ad populum
Você apela para a popularidade de um fato, no sentido de que muitas pessoas fazem/concordam com aquilo, como uma tentativa de validação dele.

15. Apelo à autoridade
Você usa a sua posição como figura ou instituição de autoridade no lugar de um argumento válido. (A popular “carteirada”.)

17. Nenhum escocês de verdade…
Você faz o que pode ser chamado de apelo à pureza como forma de rejeitar críticas relevantes ou falhas no seu argumento.

18. Genética
Você julga algo como bom ou ruim tendo por base a sua origem.

19. Preto-ou-branco
Você apresenta dois estados alternativos como sendo as únicas possibilidades, quando de fato existem outras.

21. Apelo à natureza
Você argumenta que só porque algo é “natural”, aquilo é válido, justificado, inevitável ou ideal.


Me preocupo com as milhares de pessoas que estão sendo enganadas e estão se enganando conscientemente. Quero mostrar (ou ajudar) os que engolem tudo que ele diz como a suprasumaverdade, pedindo que tomem cuidado.



  Minha visão a respeito:


Gabi é uma das únicas jornalistas que respeito. O programa não é assistido por qualquer um. É de folego. Você precisa ficar ouvindo os argumentos dos convidados, que são extremamente variados.

A revista Forbes é popular por divulgar os valores de patrimônio das pessoas mais conhecidas pelo mundo. Gabi mencionou que ela divulgou que a fortuna de Silas é de 300 milhões de reais. Silas começa falando que qualquer um é safado e sem-vergonha, mas dando a entender que não se trata dele. Ele não consegue ver problema em ele ter tanto dinheiro. Curiosamente, em toda a entrevista ele parece que vai ter um ataque cardíaco. Eu já estudei psicologia e relacionaria ela à minha experiência com técnica vocal. Definitivamente Silas parece ser um cara nervoso, com uma respiração ofegante e um olhar ameaçador. Ele se defende atacando. Ele fala de sigilo de patrimônio, mas ele é um pastor, ou seja, de certo modo, teoricamente, ele é uma pessoa pública. A questão do dízimo também não ficou clara. Como ele pode criar leis em nome de Deus ("Deus trabalha com uma lei da recompensa")? Evidentemente, ele está, no vídeo, sempre na ofensiva (com respostas prontas): "eu mostro pra você. E você pode ir a qualquer Igreja. Eu desafio ..." . Depois ele vai falando sobre a probabilidade, sem ter qualquer propriedade lógica. Ele simplesmente não deixa a Gabi falar. Para ele, quanto menos ela falar, melhor. Por isso, ele antecipa as respostas.
     Uma questão seria saber: Será que a pessoa precisa frequentar a Igreja e dar tudo que tem (do ponto de vista econômico) para ver um filho seu livre das drogas? Isso não tem fundamento. No final do primeiro bloco, ele fica ofegante novamente. Parece que existem problemas emocionais por trás da sua personalidade.

     No início do segundo bloco ele começa com falhas. Fala que Homossexualidade é uma questão comportamental. Isso é um Behaviorismo ultrapassado. As pesquisas atuais mostram outra coisa. Silas procura mostrar que entende de genética, mas usa dados desatualizados, ainda do início do século passado.

     O geneticista Eli (video abaixo) nos mostra as falácias de Silas do ponto de vista da genética. Ele, em nenhum momento cita as falácias de Peirce, mas fica evidente os locais onde essas falácias se aplicariam na argumentação de Silas malafaia. Entre as falácias que pode-se citar: 1. Espantalho, 2. Causa Falsa, 3. Apelo à emoção, 10. Pergunta carregada, 15. Apelo à autoridade, 18. Genética, 19. Preto-ou-branco, 21. Apelo à natureza.




     Mas não acaba por aí. Se os cientistas não concordam com os argumentos do pastor Silas, parece que nem todos os seus colegas de missão evangélica concordam com a sua postura e seus argumentos.

     No artigo "Pastor critica forma como Silas Malafaia expõe o evangelho na mídia: “Entre os seus arroubos performáticos, ele cita textos bíblicos para legitimar suas falas”, Dan Martins divulga a critica do pastor Valdemar Figueredo.

     Um outro artigo se intitula "Caio Fábio diz que Silas Malafaia pisou na cruz: “em um país sério ele já estaria preso”; Leia na íntegra.

     Do ponto de vista Filosófico, Gabi mostra que Silas está equivocado com respeito à sua interpretação a respeito dos homossexuais. Nesse momento ele olha fito para ela, com olhar ameaçador, condenando os argumentos dela. Então ele começa a julgar que todos os programas de Tv deveriam ser cortados em virtude da influência popular e, ironicamente, diz que só sobraria o programa da Gabi.

     Outra questão que mostra a ignorância deste pastor, é o uso indiscriminado da Bíblia (um livro com mais de 2 mil anos) para condenar a homossexualidade. Por volta de 2 mil anos atrás se escravizavam pessoas também, tudo justificado por Deus, e sabemos hoje que era uma prática errada. O Deus Hebraico não tinha problemas em matar os que não o serviam e na modernidade os negros também não tinham alma para os católicos.

     Infelizmente, os pastores e os crentes de sua Igreja causam sofrimento em muitas pessoas por depositarem sobre elas a culpa a respeito de algo que não depende delas. Como saber o que passa na cabeça de uma pessoa para condená-la por algo que nem mesmo ela sabe?

      Lindamente, Gabi questiona: "Você não acha herético que criaturas de Deus, sejam julgadas em nome de Deus?". E Silas muda de Assunto e começa a falar do inferno. Agora, ele quer colocar medo nas pessoas. Medo do sofrimento eterno, mas não respondeu a pergunta.
Chega!!!
 Assistam essa bagunça.

2 comentários :

Everton Marcos Grison disse...

Muito interessante sua postagem Jonas. Silas Malafaia pratica um desserviço social. Utiliza-se de artimanha, malícia, retórica (por sinal contraditória em boa parcela) para convencer, aliás, para impor aos que lhe escutam sua verdade. Gabi define-o de forma precisa: "Você é deus Malafaia". É um explorador de mentes, assaltando a capacidade de crítica das pessoas com posturas teatrais. Ele reproduz o que a religião por muito tempo fez e INFELIZMENTE continua a fazer de forma indiscriminada; ou se acredita ou a força lhe mostrará a verdade. Em nenhum momento eu vi este "figurão" instigando as pessoas a pensarem, refletirem. Sempre com os meus adágios, cozidos no mercantilismo religioso: "eu mostro". Mostra o quê? Mostra, sim, uma falta de decência enquanto ator social, uma falta de consciência enquanto alguém que instrui outros. No lugar de ensinar as pessoas a pensarem ele lhes dá o pensamento, aliás, a sua doutrina, que deve ser comida de uma vez sem sentir o gosto. Ele, como outros, promove um arrombo intelectual, uma violência descabida.

Jonas J. Berra disse...

É difícil se posicionar contra alguém que já sabe tudo Everton.
Essas pessoas se dizem escolhidas por Deus e já receberam a revelação.
Não são pessoas que estão sempre aprendendo, ou que podem se equivocar. É muito triste. Me entristece ver alguém que faz um desserviço a este país. Influenciando as pessoas a não pensarem.