16 de maio de 2011

Padre Curandeiro – Diante da possibilidade de cura, pessoas procuram a solução da Bio Saúde

Por: Everton Marcos Grison


        Reconhecemos que o programa televisivo Fantástico não é uma boa fonte de informações. Mas ontem mostraram uma reportagem que, no mínimo, causou-nos espanto e fez surgirem muitos questionamentos. Um sacerdote jesuíta chamado Renato Barth ministra, a mais de 10 anos, tratamentos baseados em aplicação de argila e folhas de diversas plantas sobre a pele e também receita que seus pacientes tomem sua própria urina, como método eficaz de tratamento de doenças graves como: câncer, HIV, dores, doenças em geral. 
   
     Este padre é membro coordenador nacional do grupo Bio Saúde, que ministra tratamentos em várias localidades do território nacional, baseando-se em métodos como: urinoterapia, alimentação, exames (utilizando métodos que são desprovidos de confiabilidade), exercícios. Na página principal do site do grupo (http://www.biosaudebrasil.org/v1/index.php) encontramos a frase que norteia a “filosofia" de trabalho deles: "Libertemos o corpo das suas toxinas e alimentemo-lo corretamente e estará feito o milagre da Saúde" (ênfase minha). Essa atitude de boa alimentação é sem dúvidas, uma ótima tomada de posição, pois alimentando o corpo de maneira saudável, teremos uma vida mais prospera. Implica ser problemática a atitude deste padre quando ele impõem a desistência do tratamento convencional (com medicamentos, exames e métodos testados em muitos casos) de seus pacientes, para ter “EFICÁCIA” o seu tratamento através de técnicas instigantes.
              Acreditamos que ocorre uma confusão de papéis, pois até onde nos consta, o padre deveria estar preocupado em conduzir suas ovelhas para a salvação, pregando-lhes a palavra de Deus e não ministrando tratamentos alternativos e perigosos. Sua atitude deve ser investigada, pois são muitos os casos de mortes, de famílias que ao estarem diante do desespero de não terem mais tantas alternativas para salvar seus entes da morte, recorrem a estas possibilidades totalmente desprovidas de critérios medicinais. 
            Ele precisa ser enquadrado na lei, pois é muito complexa sua atitude, reconhecida em depoimentos como: “famílias de doentes se dizendo iludidas, enganadas por uma falsa promessa de cura. “Ele falou assim: ‘Ou você para ou então eu não pego seu filho para curar. Eu garanto que eu curo, mas você tem que parar com a quimioterapia, porque a quimioterapia é que vai matar seu filho’”, diz uma senhora que não quer se identificar. “Minha mãe foi a realidade do bem e a cura que ele fez. Já faz cinco anos que ela faleceu”, conta um homem (C.f.:http://www.pvanews.com.br/index.php?pg=noticia&intNotID=40505 ).
            Como ele reage ao fato da promessa; “ Eu garanto que eu curo, mas você tem que parar com a quimioterapia”, e ai a criança morre por falta de tratamento adequado? Devemos ser críticos, pois ele PODE ter responsabilidade sobre essas mortes. Como curar um câncer, uma doença que aumenta rapidamente, aplicando “barro” sobre a pele? Convenhamos, isto é inaceitável e demonstra que diante da possibilidade do fim, o humano fica perdido e recorre a Deus e ao diabo para evitar a morte, e as vezes cometem o terrível erro de dar ouvidos a um “charlatão” como este.

2 comentários :

Francine Cruz disse...

Uma ótima postagem, parabéns. Não podemos ficar calados diante de um absurdo desses. É difícil acreditar que em pleno séc 21 situações como essa ainda ocorram...

Jonas J. Berra disse...

Mais absurdo é ver que as pessoas negam a si mesmas o direito a pensar. Essas pessoas seguem as opinioes de outras pessoas baseadas no título que carregam: ou porque é padre, ou porque é doutor, e deixar de refletir com radicalidade sobre o que eles dizem!